Hanabi Taikai: Os Festivais de Fogos de Artifício

News

Hanabi Taikai: Os Festivais de Fogos de Artifício

Os meses de julho e agosto no Japão são marcados pelos famosos festivais de verão, celebrações que ocorrem por todo o país. Essas celebrações tornam as noites quentes e úmidas do verão japonês mais agradáveis e muitas vezes contam com barracas de jogos e comida de rua. Além disso, é comum ver pessoas vestindo yukata, um tipo de kimono mais leve e casual, feito especialmente para esta estação do ano. Alguns desses festivais são chamados de Hanabi Taikai (花火大会), ou “festivais de fogos de artifício” e atraem multidões para admirar esses shows pirotécnicos. 

Segundo registros, os hanabis (fogos de artifício) se tornaram uma forma popular de entretenimento para a classe japonesa mais abastada, durante o Período Edo (1603 - 1868). Em 1733, o Xogun Tokugawa Yoshimune organizou uma apresentação de fogos de artifício para a população às margens do Rio Sumida como forma de conforto aos habitantes da região após um longo período de fome, e como uma forma de afastar os maus espíritos da região. Assim surgiu o festival do Rio Sumida, que é considerado o mais antigo do arquipélago. 

A popularidade dos festivais de fogos de artifício é tamanha que, por todo o país, famílias são encorajadas a aprimorarem suas técnicas de fabricação, que são passadas de geração em geração. O Japão é, hoje, uma referência internacional na produção desses tipos de foguetes, sendo conhecido especialmente pela fabricação de fogos que geram formas perfeitamente arredondadas que podem ser vistas com qualidade por diversos ângulos. Durante o ano, diversos artesãos ao redor do país se dedicam produzindo hanabi feitos à mão especialmente para os eventos do verão.

Apesar do cancelamento dos festivais no verão de 2020, os produtores de fogos de artifício do país se uniram no dia 1º de junho em uma ação para celebrar sua cultura e levantar o espírito da população japonesa durante a pandemia: um show pirotécnico aconteceu simultaneamente em cada uma das 47 províncias do país, surpreendendo os habitantes do arquipélago.

Voltar ao topo