Novidades

Projeto Social em Belém

A parceria entre JHSP e Fotoativa revela a visão de estudantes de escolas públicas da capital paraense sobre o Japão e fomenta o diálogo e a criação por meio da fotografia

Japan House São Paulo + Associação Fotoativa

O Japão através do olhar de crianças e jovens de escolas públicas de Belém. Essa é a proposta de uma série de atividades artístico-pedagógicas, fruto da parceria entre a Japan House São Paulo e a Associação Fotoativa. O ponto de partida é a exposição 'Japonésia', do renomado fotógrafo japonês Naoki Ishikawa, em cartaz na Casa das Onze Janelas, desde dezembro de 2021.

No projeto, estudantes da capital e da região das ilhas de Belém dialogam sobre a exposição, e ainda têm a oportunidade de ser protagonistas de suas próprias produções a partir de oficinas. As atividades têm início com uma visita guiada e, então, os estudantes embarcam pelo Japão de Naoki, na mostra que reúne 74 fotografias do artista feitas durante várias expedições e viagens ao longo das últimas décadas, revelando a diversidade de paisagens, costumes e culturas da região.

Para Eric Klug, presidente da Japan House São Paulo, a parceria com a Fotoativa valoriza os laços entre o Japão e o Brasil, e traz a oportunidade das novas gerações conhecerem um pouco mais sobre a cultura nipônica.

 

"O Brasil e o Japão têm muitas semelhanças e diferenças entre si que, certamente, surpreendem os alunos das escolas que estão visitando 'Japonésia', na Casa das Onze Janelas, e participando das atividades educativas. Esperamos todo o público de Belém nesta exposição que representa muito bem o Japão e encantará visitantes de todas as idades.", ressalta Klug.

Protagonismo social e novas perspectivas

Aproximadamente 120 estudantes participam do projeto. São crianças e jovens de escolas públicas da periferia de Belém e da Ilha de Cotijuba, localizada a 40 minutos de barco da capital paraense.

Pinhole: a câmera fotográfica artesanal sem lente

Inspirados por 'Japonésia', os jovens participantes produzem no laboratório suas próprias fotografias. Uma das modalidades utilizadas nas atividades será a pinhole - técnica com uma câmera fotográfica artesanal sem lente, que utiliza a formação de imagens pela luz ao atravessar furos muito pequenos.

Um projeto, que para Irene Almeida, presidente da Associação Fotoativa, se traduz na sensibilidade dos estudantes que enxergam a cidade a partir de novos ângulos e perspectivas, como o olhar minucioso de Naoki Ishikawa sobre a sua 'Japonésia'.

“A importância dessa parceria é, também, de poder estar livre para desenvolver uma ação que, com certeza, vai deixar uma sementinha do que significa esse Japão a partir do olhar de Naoki, e como se dá essa relação com a nossa Belém que é cercada por rios e ilhas como a Japonésia. Ela vai além disso, passa antes de tudo por um conceito que envolve falar de uma tradição japonesa pelo olhar de um fotógrafo. Da relação com o fotógrafo e a interligação que queremos fazer com a nossa cidade. Daquilo que se vê além.”, explica Irene.

As atividades educativas tiveram início no dia 10 de fevereiro, e seguem até 11 de março - no total, são oito encontros, que têm a duração de, aproximadamente, duas horas cada. A programação conta ainda com rodas de conversas sobre fotografia, e experimentos com pincel de luz, um processo de criação de imagem a partir da manipulação química feita sobre superfícies fotossensíveis diretamente sobre o papel fotográfico, sem utilizar para isso uma câmera.

As imagens e os textos produzidos pelos estudantes, durante os encontros, serão reunidos em uma exposição virtual, no formato e-book. O objetivo é que o material seja utilizado em sala de aula, por professores, articulando proposições e memórias em torno da 'Japonésia', de Naoki Ishikawa.

Confira a exposição em Belém:

Japonésia em Belém

 

Relembre a exposição na Japan House São Paulo:

Japonésia na JHSP
Voltar ao topo