Fotos de retrato de Yuko Mohri, Jacopo Crivelli Visconti, Paulo Miyada e Natasha Barzaghi Geenen. O fundo da imagem é vermelho e branco.

Evento

JHSP Live | Conversa com a artista Yuko Mohri

No evento que acontece em 6 de outubro, às 20h, a artista japonesa conversa sobre as obras apresentadas na Bienal de São Paulo e na Japan House São Paulo

Compartilhe

Yuko Mohri e seu processo criativo

Com mediação de Natasha Barzaghi Geenen, Diretora Cultural da JHSP, Jacopo Crivelli Visconti e Paulo Miyada, curador geral e curador adjunto da 34ª Bienal – ‘Faz escuro mas eu canto’, o encontro, com tradução simultânea para português e japonês, terá um bate-papo com a artista japonesa Yuko Mohri comentando sobre seu processo criativo e obras apresentadas na Bienal de São Paulo e na Japan House São Paulo.

Esta palestra faz parte da programação da exposição 'Parade – um pingo pingando, uma conta, um conto', em cartaz na Japan House São Paulo, de 28 de setembro a 14 de novembro de 2021.

A live conta com recursos de acessibilidade (Libras e Closed Caption).

Banner informativo. JHSP Live // Conversa com a artista Yuko Mohri, no YouTube da /japanhousesp. Evento acessível (ícones de Closed Caption e Libras). Fotos de retrato de Yuko Mohri, Jacopo Crivelli Visconti, Paulo Miyada e Natasha Barzaghi Geenen. O fundo da imagem é vermelho e branco.

--

Sobre os convidados:

Yuko Mohri

Yuko Mohri

Nascida em 1980 na província de Kanagawa, Japão, reside atualmente em Tóquio. A artista cria instalações que permitem uma experiência sensorial com forças intangíveis e invisíveis, como a força magnética, a gravidade e a luz.

Entre suas exposições individuais dos últimos anos destacam-se SP. by yuko mohri (Ginza Sony Park, Tóquio, 2020), Voluta (Camden Art Centre, Londres, 2018) e Mohri Yuko: Assume That There Is Friction and Resistance (Towada Art Center, Japão, 2018). Participou também de exposições coletivas no Japão e no exterior, como a Glasgow International 2021 (Escócia), a Asia Pacific Triennial 2018 (Brisbane, Austrália), Japanorama: New Vision on Art since 1970 (Centre Pompidou-Metz, França, 2017), a Biennale d’Art Contemporain de Lyon 2017 (França) e a Yokohama Triennale 2014 (Kanagawa, Japão), entre outras.

Em 2015 foi aos Estados Unidos como bolsista do Asian Cultural Council (ACC). No mesmo ano, ganhou o grande prêmio no “Nissan Art Award” e, em 2016, conquistou o “Culture and Future Prize” no “Kanagawa Culture Award”. No ano seguinte, recebeu o Prêmio de Melhor Artista Jovem do “67º Prêmio do Ministro da Educação para Belas Artes” do governo japonês. Em 2018 foi escolhida como representante japonesa do Programa de Intercâmbio Cultural para o Leste Asiático da Agência de Assuntos Culturais do governo japonês, quando passou uma temporada na China.

Atualmente, Mohri leciona no programa de Prática Artística Global da Pós-Graduação em Artes Visuais da Universidade de Artes de Tóquio. É também uma das artistas participantes da 34ª Bienal de São Paulo (2021).

Jacopo Crivelli Visconti

Jacopo Crivelli Visconti

Nascido em 1973, em Nápoles, Itália, é curador e crítico de arte radicado em São Paulo. Doutor em Arquitetura pela Universidade de São Paulo – USP, foi membro da equipe da Fundação Bienal de São Paulo entre 2001 e 2009, quando realizou a curadoria da participação oficial brasileira na 52ª Exposição Internacional de Arte – La Biennale di Venezia (2007). Entre seus trabalhos recentes estão: Untimely, Again, Pavilhão da República de Chipre na 58ª Biennale di Venezia, Itália (2019); Brasile – Il coltello nella carne, PAC – Padiglione d’arte contemporanea, Milão, Itália (2018); Matriz do tempo real, MAC USP, Brasil (2018); Memories of Underdevelopment, Museum of Contemporary Art of San Diego, EUA (2017); Héctor Zamora – Dinâmica não linear, Centro Cultural Banco do Brasil, São Paulo (2016); Sean Scully, Pinacoteca do Estado de São Paulo, Brasil (2015); Ir para volver, 12ª Bienal de Cuenca, Equador (2014). É autor de Novas derivas (WMF Martins Fontes, São Paulo, Brasil, 2014; Ediciones Metales Pesados, Santiago, Chile, 2016).

Colabora regularmente com publicações de arte contemporânea, arquitetura e design, além de escrever para catálogos de exposições e monografias de artistas.

Paulo Miyada

Paulo Miyada

Nascido em 1985, São Paulo, Brasil, é curador e pesquisador de arte contemporânea. Possui mestrado em História da Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo – USP, pela qual também é graduado. É curador adjunto do Centre Pompidou (França) e curador do Instituto Tomie Ohtake (São Paulo), onde coordena o Núcleo de Pesquisa e Curadoria, além de co-coordenar o programa de cursos da Escola Entrópica, em que é professor. Foi assistente de curadoria da 29ª Bienal de São Paulo (2010), integrou a equipe curatorial do Rumos Artes Visuais do Itaú Cultural (2011-2013) e foi curador adjunto do 34º Panorama da Arte Brasileira do MAM-SP (2015), todos em São Paulo.

Serviço:

JHSP Live | Conversa com a artista Yuko Mohri

Quando: quarta-feira, 6 de outubro de 2021
Horário: 20h
Onde: YouTube da JHSP
Assista a live em português: https://youtu.be/pFyazdlYou8
Assista a live em japonês: https://youtu.be/y6_xWZyWISs

Ícone de acessibilidade: Libras Ícone de acessibilidade: closed caption

Voltar ao topo