Foto de detalhe de fios coloridos e placas de programação.

Exposições

Parade – um pingo pingando, uma conta, um conto

A transitoriedade e a impermanência das esculturas cinéticas de Yuko Mohri, reconhecida artista japonesa

Data

31.08.2021―14.11.2021

Terça a sexta-feira

das 10h às 17h

Sábados, domingos e feriados

das 9h às 18h

Custo

Entrada gratuita 

Compartilhe

 

De 31 de agosto a 14 de novembro de 2021, a Japan House São Paulo apresenta a exposição individual inédita da artista visual Yuko Mohri, sob o nome ‘Parade – um pingo pingando, uma conta, um conto’. As delicadas, porém potentes, instalações da artista japonesa apresentam ideias como transitoriedade e impermanência, conceitos muito presentes na cultura nipônica, criando ecossistemas compostos por esculturas cinéticas e sonoras. Esta exposição integra a rede de colaborações da 34ª Bienal de São Paulo – Faz escuro mas eu canto, que acontece a partir de 4 de setembro de 2021.

O belo no ordinário

Tendo como ponto de partida duas de suas principais obras: Parade e Moré Moré, ‘Parade – um pingo pingando, uma conta, um conto’, instalação criada especialmente para a Japan House São Paulo, exalta a filosofia japonesa do [you no bi], ressignificando objetos e utensílios comuns em suas obras, ressaltando o belo no ordinário. Do filósofo japonês Soetsu Yanagi (1889-1961), o conceito [you no bi] valoriza a “beleza dos objetos cotidianos”.

Instalação da artista japonesa Yuko Mohri no espaço expositivo do 2º andar da JHSP. O chão é de madeira e as paredes são brancas.

Sobre Parade

O delicado equilíbrio presente nas obras da jovem artista, que hoje leciona na Universidade de Artes de Tóquio, é fruto de anos de pesquisa em colaboração com profissionais de diversas áreas. Parade consiste em uma máquina desenvolvida pela artista com ajuda de engenheiros, baseada em uma placa de prototipagem eletrônica de código aberto que lê os desenhos de uma toalha de mesa estampada com frutas coloridas. As imagens são traduzidas em correntes elétricas que percorrem diversos fios, provocando reações inesperadas como uma luz que liga e desliga, espanadores que pulam no chão, um acordeão que parece ganhar vida própria. Os diversos objetos que compõem o trabalho são fruto das coletas de Yuko ao redor do mundo. Esse ecossistema criado pela artista foi inspirado no jardim botânico que Yuko costumava frequentar quando criança e onde observava a natureza semiartificial e sua transformação nas diferentes épocas do ano.

Instalação da artista japonesa Yuko Mohri no espaço expositivo do 2º andar da JHSP. O chão é de madeira e as paredes são brancas.

Sobre Moré Moré

Ainda dentro das questões envolvendo a impermanência e a transitoriedade, temas recorrentes em sua trajetória, a obra incorpora elementos da série Moré Moré, na qual Yuko causa vazamentos propositais para, então, tentar obstruí-los e fazer com que a água circule novamente pelo sistema danificado. A ideia surgiu a partir dos registros fotográficos que a artista fez dos frequentes vazamentos de água no metrô de Tóquio, em 2009. As equipes das estações atingidas usaram uma variedade de recipientes incluindo garrafas, baldes, guarda-chuvas e tubos para conter o fluxo. A observação deste acontecimento, inspirou a artista a criar suas próprias esculturas, que se tornaram cada vez mais elaboradas ao longo dos anos.

Instalação da artista japonesa Yuko Mohri no espaço expositivo do 2º andar da JHSP. O chão é de madeira e as paredes são brancas.

Como uma homenagem à composição de Tom Jobim, ‘Parade – um pingo pingando, uma conta, um conto’ é uma releitura da artista de sua própria obra, uma versão tropicalizada feita a partir da relação estabelecida por ela entre os objetos de sua instalação e a letra da famosa canção.

Para a Diretora Cultural da Japan House São Paulo e curadora da individual, Natasha Barzaghi Geenen, “Os projetos de Yuko exploram ideias de energia e força intangível, investigam a gravidade, o magnetismo e a luz como fatores de presença perceptível em espaços antes inocupados. A ideia é causar curiosidade e maravilhamento, com os objetos retirados de suas funções primárias e costurados numa teia poética, valorizados nessa colagem espacial, nos deixando mais conscientes do nosso entorno”. Buscando criar oportunidades equitativas para todos os públicos, a exposição ‘Parade – um pingo pingando, uma conta, um conto’ dispõe de recursos de acessibilidade como audiodescrição, libras e elementos táteis.

Instalação da artista japonesa Yuko Mohri no espaço expositivo do 2º andar da JHSP. O chão é de madeira e as paredes são brancas.

A peculiar e reconhecida arte de Yuko Mohri

A arte peculiar de Yuko Mohri lhe conferiu reconhecimento em países como Japão, França e Inglaterra, algo que só tem crescido nos últimos anos. Entre as apresentações, destaque para as individuais SP. by yuko mohri (Ginza Sony Park, Tóquio, 2020) e Voluta (Camden Art Centre, Londres, 2018) e a sua participação nas coletivas Japanorama: New Vision on Art since 1970 (Centre Pompidou-Metz, França, 2017), e na Biennale d’Art Contemporain de Lyon 2017 (França).

Em 2015 ganhou o grande prêmio no Nissan Art Award e, em 2016, conquistou o Culture and Future Prize no Kanagawa Culture Award. No ano seguinte, recebeu o Prêmio de Melhor Artista Jovem do 67º Prêmio do Ministro da Educação para Belas Artes do governo japonês. Em 2018, foi escolhida como representante japonesa do Programa de Intercâmbio Cultural para o Leste Asiático da Agência de Assuntos Culturais do governo japonês, quando passou uma temporada na China.

Instalação da artista japonesa Yuko Mohri no espaço expositivo do 2º andar da JHSP. O chão é de madeira e as paredes são brancas.

Artista convidada da 34ª Bienal de Arte de São Paulo

Este ano, Yuko também é uma das artistas internacionais convidadas para integrar a 34ª Bienal de Arte de São Paulo, que acontece de 4 de setembro a 5 de dezembro de 2021, no Pavilhão Ciccillo Matarazzo, no Parque Ibirapuera. A artista também esteve presente na exposição coletiva Vento, realizada em 2020 como parte da programação da 34ª Bienal.

Mais do que um reconhecimento à relevância da jovem artista, a parceria entre as duas instituições culturais representa um reconhecimento à relevância do trabalho desenvolvido pela Japan House São Paulo na difusão da cultura nipônica e da arte japonesa no Brasil, já que desde 2006, a Bienal não trabalha mais com representações nacionais. “Esta é uma oportunidade dupla para o público poder ter um entendimento e um contato mais amplo com as obras de Yuko, tanto na exposição da Japan House São Paulo ainda em agosto, quanto na exibição da 34ª Bienal”, comenta Natasha Barzaghi Geenen.

Banner informativo. Yuko Mohri. Parade – um pingo pingando, uma conta, um conto. O fundo da imagem é branco.

--

Serviço:

Parade - um pingo pingando, uma conta, um conto, de Yuko Mohri

Período: 31 de agosto a 14 de novembro de 2021*
Onde: Japan House São Paulo, segundo andar
Custo: Entrada Gratuita
A exposição conta com Recursos de Acessibilidade

Reserva online antecipada opcional, mas recomendada: https://agendamento.japanhousesp.com.br/

Japan House São Paulo
Endereço:
 
Avenida Paulista, 52 – Bela Vista, São Paulo
Horário de funcionamento: 
Terça a sexta-feira, das 10h às 17h*
Sábados, domingos e feriados, das 9h às 18h*

*As datas e os horários de visitação podem ser alterados de acordo com as determinações do Plano São Paulo.

 **Devido ao coronavírus, a JHSP está funcionando com capacidade reduzida.
Para mais informações, acesse.

Voltar ao topo