ARTIGOS

Washi-no-Sato: A Vila Dedicada à Produção de Papel Artesanal

Divulgação / Japan Trip Navigator

Na cultura japonesa, o papel desempenha múltiplas funções. Mais do que um material usado para escrita e embalagens, o washi, um tipo de papel feito no Japão a partir das fibras dos galhos de arbustos, pode ser usado na confecção de roupas, móveis e uma variedade infinita de objetos que vão de bolsas a brinquedos.

+ Conheça mais sobre as folhas finas, belas e resistentes do washi.

Se para muitos artistas o papel japonês é uma tela em branco pronta para abrigar a beleza e poesia de expressões distintas, como o Shodō, Nihonga e Sumiê, a própria manufatura do washi é por si só uma arte celebrada diariamente na vila de Washi-no-Sato, na Província de Saitama.

+ Assista às dicas da ilustradora Lúcia Hiratsuka para desenhar em casa usando a técnica de pintura Sumiê.

Para se entender a importância dessa espécie de parque temático localizado a 70 quilômetros de Tóquio, no distrito de Higashi-Chichibu, antes é preciso voltar 1.300 anos no tempo. Segundo o Sekishu Washi Center, foi no século 7 que o monge coreano Doncho e outros artesãos conterrâneos se instalaram em Ogawa e introduziram métodos de manufatura de papel que ainda hoje são usados no Japão.

Com uma resistência impressionante, o washi é feito a partir de matérias-primas cuidadosamente selecionadas, utilizando um processo meticuloso de produção manual que permaneceu essencialmente inalterado por séculos. A começar pela fervura dos galhos de algumas espécies de pequenas árvores, como o kozo (tipo de amoreira) ou arbustos como mitsumata e ganpi.

Em seguida, a casca externa é retirada e as fibras são desfiadas, para serem batidas até ficarem macias e misturadas com um aglutinante. Essa pasta é peneirada e prensada com uma esteira de bambu chamada suki-su, uma folha de cada vez. É exatamente esse cuidado que torna cada folha única e com uma personalidade própria, que se reflete diretamente nas obras de arte com ela criada.

O passo final é a secagem e, em momento algum, admite-se o uso de alvejantes ou outros produtos químicos, pois isso impactaria nas características originais de cor e formação do produto.

+ Washi: a arte do papel e a arte da vida.

No geral, o processo artesanal é bastante similar em todo o país, mas os tipos de papel produzidos são diferentes em cada região, em função do impacto ambiental como clima e água na matéria-prima. Em Saitama, o mais comum é o hosokawa-shi. Conhecido por sua enorme durabilidade, essa variedade era bastante procurada por funcionários do governo e comerciantes que o utilizavam em livros de contabilidade e registros de terras.

Em uma versão ultra fina, o hosokawa-shi hoje é usado em arquivos históricos e museus não só no Japão, mas também nos Estados Unidos e Europa, para proteger e restaurar livros, documentos e obras de arte. Afinal, não é raro encontrar exemplares de washi com mil anos ou mais.

+ Você sabia que alguns detalhes do interior da Japan House São Paulo são revestidos de washi?

Em 2014, o processo de manufatura do washi praticado em comunidades de artesãos nas províncias de Shimane, Gifu e Saitama foi reconhecido pela UNESCO como Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade. São essas técnicas passadas de geração em geração que são apresentadas em Washi-no-Sato.

A vila, formada por oito construções de madeira, tem entrada gratuita e é possível acompanhar à distância o trabalho dos artesãos, assim como ver de perto uma série de objetos valiosos criados a partir desse material. Para experimentar a fabricação artesanal de washi, os visitantes devem inscrever-se em uma oficina, que é paga.

Voltar ao topo